no caminho sanabrés II

etapa II: dazón

podia ter feito menos sete quilómetros para aqui chegar. escolhi o trajeto mais longo e difícil. passei por trilhos estreitos quase cobertos pela vegetação, feitos de pedra gasta nos séculos pelos passos de tantos peregrinos rumo a Compostela. subi e desci montanhas, quase em modo escalada. passei por um peregrino de bicicleta na mão, porque há sempre quem tenha a coragem de não se desviar do Caminho mais primitivo e genuíno para se fazer às retas e alcatrão das estradas. tudo para ver um mosteiro. tudo atrás de uma promessa: “terás um mosteiro só para ti.” – era o que estava escrito no mapa que trazia comigo, impresso do blogue “Meia bota, bota e meia“.

tive o mosteiro e tive quase a tocar o céu, com toda uma cordilheira no horizonte. e o que fica não são os quilómetros a mais de esforço… é a vista, a beleza da paisagem, a pureza do ar que se respira, o sol a queimar a pele, as borboletas voando à nossa volta. e a pena de quem teve pressa e escolheu o trilho mais fácil. e o medo de errar na escolha da próxima vez que houver setas a apontar para diferentes direções.

caminho a dazon

no caminho

no caminho

 

 

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: