o resgate da memória

ela perguntava-se se devia escrever, o quê, para quem, para quê. e desconfiava sempre da vontade e deixava-a ao abandono da memória de páginas em branco ou linhas sofridas debaixo de tiquetaques incessantes. mas uma pena atravessou-se-lhe no Caminho de Santiago. pensamentos, muitos pensamentos a tolherem-lhe a ação: que tolice, ora essa, é só uma pena… quis o Caminho fazer-se de penas nesse dia – “acorda!”

e ela acordou. aceitou que a pena lhe pertencia, guardou-a num diário e nunca mais deixou de escrever.

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: