silêncio

há um silêncio ensurdecedor quando ficamos a sós no Caminho.

há o sopro do vento a bater contra árvores, a bater contra folhas, a bater-nos contra o corpo; a batida das asas de borboletas, o cricrilar de grilos e o chilrear de pássaros; o calor a quebrar galhos, galhos a estalarem no chão, chão a levantar pó; a água a correr em riachos, a escorrer entre pedras, a chapinhar em poças de lama e no musgo; os passos, os nossos passos, pesados, arrastados, contra pedras, contra terra, contra palha; o toque do cajado a confundir-se com o pulsar do sangue que nos corre nas veias e o roçar da mochila contra as costas quentes, suadas, amachucadas, a confundir-se com as costas, a misturar-se no peso que somos.

e há vozes, muitas vozes, vozes que não se calam. vêm de todo o lado: dos peregrinos que se cruzam connosco, dos aldeões embrenhados nas suas rotinas, da nossa mente, da nossa imaginação, do mais fundo de nós.

há silêncio em todo este ruído, ruído só audível no meio de todo este silêncio, a meio do Caminho, no meio de nós.

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: