para lá do que leio

tão distantes assim, eu a ler-te, tu a escreveres-me. mas ambos concordamos com Saramago quando diz “dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos”. e é isso que nos liga: não a Liliana, a leitora, ao José Luís Peixoto, o escritor, mas esse coisa sem nome que subsiste para lá do que leio, para lá do que ele escreve.

 

One Comment

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: